e-escola

Herderite Intermédio

Publicado em 30/04/2010 

Aplicações

A herderite não constitui uma fonte importante de berílio, apesar do seu elevado teor neste elemento, pois a sua ocorrência é globalmente muito limitada. Apresentamos, contudo, as aplicações gerais do Be sob a forma metálica e em compostos de Be.

Fonte de Berílio: forma metálica, na forma de berília (óxido de berílio) e em ligas.

O berílio é um metal muito leve usado em ligas de altíssima resistência para a indústria nuclear (reactores) e a aeronáutica. É um metal estratégico para a indústria da Defesa. As ligas de Cu-Be são caracterizadas pela sua leveza, resistência, elasticidade, alta dureza e condutividade térmica e eléctrica invulgares - são utilizadas em dispositivos subaquáticos e em muitas situações em que são necessárias elevadas resistências mecânica e à corrosão.

Compostos de Be: Carbonato de Berílio, BeCO3; Acetato Básico de Berílio, Be4O(O2CCH3)6; Brometo de Berílio, BeBr2; Cloreto de Berílio, BeCl2; Fluoreto de Berílio, BeF2; Hidróxido de Berílio, Na2Be(OH)4 ; Iodeto de Berílio, BeI2; Nitrato de Berílio, Be3N2; Óxido de Berílio (Berília), BeO.

Os sais de Be são empregues no fabrico de lâmpadas fluorescentes e ampolas de raios X. Dentro das aplicações aeroespaciais, o berílio é usado no fabrico de mísseis, no equipamento eléctrico de aviões (transmissões, sistemas de travagem e de tracção, instrumentação, etc.), satélites e veículos espaciais. Na indústria biomédica é usado no fabrico de equipamento cirúrgico, de radiografia e nos lasers médicos. Na indústria eléctrica e electrónica é usado em relés, circuitos e peças - utilizados em telemóveis e ao nível informático no equipamento ligado à internet como a fibra óptica, sistemas wireless, routers, etc.

Equipamento de raios X

Fig. 6 – As janelas de berílio, destacadas com cor vermelha, são um componente muito sensível das ampolas de raios X. Exemplo de aplicação no difractómetro de Raios X (letra A) do CEPGISTLink externo.

Aplicações principais da herderite
  • Coleccionismo: devido à sua raridade é procurado por coleccionadores.
  • Gema: alguns especímenes são utilizados como gemaLink externo.
  • Interesse científico – é um mineral tipomórfico de pegmatitos graníticos ricos em Be. A sua presença é indicadora de determinadas condições de formação e da composição química desse ambiente.
Reactor nuclear

Fig. 7 – Muitos dos componentes utilizados nos reactores nuclearesLink externo contêm berílio na sua composição. Por outro lado, o berílio é utilizado como fonte de neutrões. Fonte: EFDALink externo

Outras aplicações do Be
  • Material para testes em reactores nucleares, reactores móveis e equipamentos de Defesa (mísseis, aeronaves, sistemas anti-mísseis, tanques, satélites militares, radares, etc.).
  • Telescópios.
  • Equipamentos de medição, molas, tubos, moldes para plásticos. Cerâmicos electrónicos e em equipamentos de alta tensão (berília).
  • Equipamentos ligados à segurança: sistemas anti-fogo, sensores de air-bags, sistemas de travagem.
Curiosidade

O berilo é usado ao nível laboratorial como fonte de neutrões.

Autor e Créditos

Autor:

  • Manuel Francisco Pereira
  • Elsa Vicente
 

Tópicos Relacionados

  • Berílio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 06/11/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Ferro

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 10/04/2008 | Tabela Periódica | Básico

  • Lítio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 14/11/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Flúor

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 05/07/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Magnésio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 19/10/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Berilonite

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 16/12/2009 | Minerais | Intermédio

  • Bertrandite

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 16/12/2009 | Minerais | Intermédio

  • Lepidolite

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 29/01/2009 | Minerais | Intermédio

  • Fluorite

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 02/03/2010 | Minerais | Intermédio

  • Crisoberilo

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 11/03/2010 | Minerais | Intermédio

 

Referências Bibliográficas

  • [1] Almeida, C.M.P., Estudo do filão aplitopegmatítico da mina da Bajoca, Almendra. Contribuição Científico-tecnológica, Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, Porto, 2003.
  • [2] Blackburn, W.H. & Dennen W.A., Principles of Mineralogy, Second Edition, Wm. C. Brown Publishers, 1994.
  • [3] Carneiro F.S., Potencialidades Minerais da metrópole, base firme de desenvolvimentos industrial do país, Arquivos da Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos, 1971.
  • [4] Celso S. & Gomes F., Minerais Industriais: Matérias Primas Cerâmicas, Instituto Nacional de Investigação Científica, Aveiro, 1990.
  • [5] Cerný, P., Short Course in Granitic Pegmatites in Science and Industry, Ed. P. Cerný. Mineralogical Association of Canada Short Handbook, 1982.
  • [6] Clark, A.M., Hey’s Mineral Index: Mineral Species, varieties and synonyms, 3ª. Ed., Chapman & Hall, 1993.
  • [7] Constantopoulos, J.T., Earth Resources Laboratory Investigations, Prentiss-Hall, 1997.
  • [8] Dud’a, R. & Reij.L, A Grande Enciclopédia dos Minerais, Editorial Inquérito, 1994.
  • [9] Edwards, D. & King, C., Geocience: Understanding Geological Processes, Hodder & Stoughton, 1999.
  • [10] Emsley, J., The Elements, Claredon Press, Oxford, 1991.
  • [11] Enciclopédia Minerais e Pedras Preciosas, RBA Editores, 1993.
  • [12] Gaines R., Skinner H., Foord E., Mason B., Rosenzweig A., Danas’s New Minerology, 8ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1997.
  • [13] Galopim de Carvalho, A.M., Sopas de Pedra: De Mineralibus, I, Gradiva Publicações Lda., 2000.
  • [14] Gomes, C.L. & Nunes, J.E.L., Análise paragenética e classificação dos pegmatitos graníticos da cintura hercínica centro-ibérica, M. Portugal V. Ferreira (Coord.), A Geologia de Engenharia e os Recursos Geológicos, Imprensa da Universidade Ed., Coimbra, 2003, pp. 85-109.
  • [15] Grew, E. S., Reviews in Mineralogy & Geochemistry, Beryllium – Mineralogy, Petrology and Geochemistry, Mineralogical Society of America, 2002.
  • [16] Harben, P.W. & Bates, R.L., Industrial Minerals, Geology and World Deposits. Industrial Minerals Division, Metal Bulletin PLC, London, 1990.
  • [17] Harben, P.W. & Kuzvart, M., Industrial Minerals, A Global Geology. Industrial Minerals Information Ltd, Metal Bulletin PLC, London, 1996.
  • [18] Hurlbut, C.S. Jr., Les Minéraux et L’ Homme, Éditions Stock, Paris, 1969.
  • [19] Hurlbut, C.S. Jr. & Switzer G.S., Gemology, Johnn Wiley & Sons, Inc., 1979.
  • [20] Jesus, A.M., Pegmatites Mangano-litiníferas da Região de Mangualde, Com. Serv. Geol. Portugal, 1993, 65-210.
  • [21] Klein, C. & Hurlbut C.S., Manual of Mineralogy (after James D. Dana), Revised 21ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1999.
  • [22] Lima, A.M.C., Estrutura, mineralogia e génese dos filões aplitopegmatíticos com espodumena da região Barroso-Alvão, Tese de doutoramento em Ciências, Departamento de Geologia, Centro de Geologia, FCUP, Porto, 2000.
  • [23] Manutcherhr-Danai M., Dictionary of gems and geomology, Springer-Verlag, 2000.
  • [24] Mendes, H. S. & Silva, M. I., Mineralogia e Petrologia – Segundo as lições do Prof. Eng. Luís Aires de Barros, Edição da Secção de Folhas da A.E.I.S.T., 1965.
  • [25] Neves, M.O., Caracterização químico-estrutural e petrográfica das micas litiníferas da mina do Castanho Nº1 (Gonçalo-Guarda), Tese de mestrado em Geoquímica, Departamento de Geociências da Universidade de Aveiro, Aveiro, 1993.
  • [26] Pereira, M.F.C, Estudo mineroquímico interpretativo da evolução da alteração de fosfatos de manganês – triplites de Mesquitela (Mangualde), Departamento de Geociências da Universidade de Aveiro, 1994.
  • [27] Pereira, M.F.C, Análise estrutural e mineralógica do aparelho pegmatítico de Pereira de Selão (Seixigal) - Vidago (N de Portugal), Tese de doutoramento em Engenharia de Minas, Departamento de Minas, IST-UTL, Lisboa, 2005.
  • [28] Putnis, A., Introduction to mineral sciences, Press Syndicate of the University of Cambridge, 1992.
  • [29] Ramos, J.M.F., Mineralizações de metais raros de Seixo Amarelo– Gonçalo (Guarda). Contribuição para o seu conhecimento, Tese de doutoramento, Fac. Cienc. Univ. Lisboa, Lisboa, 1998.
  • [30] Rewitzer, C. Wald, F. & Roschl, N., 1984, Portugal (Mangualde), Lapis Mineralien Magazin, 9, (12) pp. 21-26.
  • [31] Schnorrer-Kohler, G. Bendada, 1991, ein Phosphatpegmatit im Mittelteil Portugals, Lapis Mineralien Magazin, 5, pp. 21-33.
  • [32] Staff of U.S. Bureau of Mines, Mineral Facts and Problems, 1985 Edition, Bulletin 675, United States Department of the Interior, 1956.
  • [33] Velho J., Gomes C. & Romariz, Minerais Industriais, Geologia, Propriedades, Tratamentos, Aplicações, Especificações, Produções e Mercados, Gráfica de Coimbra, Coimbra, 1998.
 

Para comentar tem de estar registado no portal.

Esqueceu-se da password?

© 2008-2009, Instituto Superior Técnico. Todos os direitos reservados.
  • Feder
  • POS_conhecimento