e-escola

Crisoberilo Intermédio

Publicado em 11/03/2010 

Jazida

Tipo de jazida
Pegmatitos, micaxistos, depósitos aluvionares

O crisoberilo é um mineral relativamente raro, sendo encontrado tipicamente em pegmatitos (figura 3), micaxistos Player e em depósitos secundários (residuais - originados na dependência da meteorização, ou em placers Player (figura 4) - resultantes da erosão, transporte e acumulação de minerais de depósitos pré-existentes).

Depósitos pegmatíticos

Mesmo no domínio dos pegmatitos graníticos, o crisoberilo é um mineral bastante raro, associando-se frequentemente ao berilo e à fenacite. Os pegmatitos com crisoberilo encontram-se, frequentemente, instalados em domínios metamórficos correspondentes a micaxistos com elevado grau de metamorfismo ou intersectando rochas ultrabásicas. No primeiro, o crisoberilo ocorre no interior dos corpos pegmatíticos ou nas rochas encaixantes; no segundo, surge em orlas de reacção no contacto com as formações ultrabásicas.

As condições de formação do crisoberilo, relativamente ao berilo, exigem ambientes com muito maior concentração de alumina (Al2O3), ou seja, o crisoberilo forma-se tipicamente em pegmatitos peraluminosos (gerados por contaminação ou dessilicificação).

Estudos experimentais mostraram que a reacção:

berilo + 2 silimanite = 3 crisoberilo + 8 quartzo

só se desloca para a direita em condições de altas pressões e temperaturas (no campo da silimanite), indicando assim, condições de formação muito específicas para os pegmatitos com crisoberilo.

Tipo de Jazida

Fig. 3 - Pegmatito zonado - as zonas internas traduzem diferentes etapas da cristalização do corpo. Rocha encaixante - cinzento mais escuro na parte externa.

Depósitos não pegmatíticos

Para além das jazidas pegmatíticas dessilicatadas, o crisoberilo ocorre em depósitos hidrotermais de temperatura média, na dependência de rochas granitóides ou de rochas sieníticas (Smirnov, 1977), encaixadas em domínios de rochas aluminossilicatadas com intercalações carbonatadas.

  • Na gama de temperaturas médias, o crisoberilo ocorre em metassomatitos. A associação típica associada a rochas granitóides inclui a fluorite e a fenacite, em particular os subtipos mica-turmalina-crisoberilo e topázio-fluorite-crisoberilo. A associação típica associada a rochas sieníticas é britolite-crisoberilo-fenacite.

    Das características próprias deste tipo de ocorrências destacamos a clara associação com falhas regionais e geneticamente relacionadas com maciços granitóides ou sieníticos, com dimensões reduzidas, correspondentes a etapas evolutivas finais de complexos graníticos. Esses maciços encontram-se metassomatizados. Existe um claro controlo litológico das mineralizações, nomeadamente por rochas carbonatadas. Observam-se diversas etapas de mineralização e o crisoberilo surge sempre acompanhado pela fluorite de cor violeta muito escura (aspecto frequentemente correlacionado com um enriquecimento em tório e/ou urânio), massiva ou com bandado fino, com aspecto celular.

  • O crisoberilo surge ainda em rochas escarníticas ricas em berílio. Estas formações estão associadas a intrusões granitóides em encaixantes carbonatados (calcários e dolomitos), num domínio de profundidades intermédias. As associações típicas são magnetite-fluorite-crisoberilo-helvite(Mn4Be3[S|(SiO4)3]) e tafeíte (BeMg3Al8O16)-crisoberilo.

    Estes depósitos são de grandes dimensões, mas a mineralização encontra-se dispersa e globalmente o teor em Be é baixo, o que lhes confere uma fraca apetência económica. Estes escarnitos são constituídos essencialmente por granada, vesuvianite e diópsido e apresentam também enriquecimento em B e F.

    As propriedades deste mineral conferem-lhe grande resistência aos fenómenos de meteorização, nomeadamente a elevada dureza, fraca clivagem e estabilidade química, daí que seja frequente encontrar este mineral em depósitos residuais ou aluvionares (depósitos de concentração mecânica), sob a forma clástica ligeiramente arredondada Player, na dependência mais ou menos próxima dos jazigos primários. Nestas condições encontra-se associado frequentemente ao berilo (esmeraldas) e coríndo (rubis e safiras).

Minerais Associados

Moscovite, biotite, berilo, coríndo, fenacite, espinelas, granadas, apatite, turmalina, feldspatos, quartzo.

Placer – depósito de concentração mecânica

Fig. 4 – Placer – depósito de concentração mecânica.

ScreenShot da Aplicação
Flash Icon
A visualização deste conteúdo requer a instalação do

Autor e Créditos

Autor:

  • Manuel Francisco Pereira
  • Elsa Vicente
 

Tópicos Relacionados

  • Berílio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 06/11/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Ferro

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 10/04/2008 | Tabela Periódica | Básico

  • Magnésio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 19/10/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Berilonite

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 16/12/2009 | Minerais | Intermédio

  • Bertrandite

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 16/12/2009 | Minerais | Intermédio

 

Referências Bibliográficas

  • [1] Blackburn, W.H. & Dennen W.A., Principles of Mineralogy, Second Edition, Wm. C. Brown Publishers, 1994.
  • [2] Carneiro F.S., Potencialidades Minerais da metrópole, base firme de desenvolvimentos industrial do país, Arquivos da Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos, 1971.
  • [3] Celso S. & Gomes F., Minerais Industriais: Matérias Primas Cerâmicas, Instituto Nacional de Investigação Científica, Aveiro, 1990.
  • [4] Cerný, P., Short Course in Granitic Pegmatites in Science and Industry, Ed. P. Cerný. Mineralogical Association of Canada Short Handbook, 1982.
  • [5] Clark, A.M., Hey’s Mineral Index: Mineral Species, varieties and synonyms, 3ª. Ed., Chapman & Hall, 1993.
  • [6] Constantopoulos, J.T., Earth Resources Laboratory Investigations, Prentiss-Hall, 1997.
  • [7] Dud’a, R. & Reij.L, A Grande Enciclopédia dos Minerais, Editorial Inquérito, 1994.
  • [8] Edwards, D. & King, C., Geocience: Understanding Geological Processes, Hodder & Stoughton, 1999.
  • [9] Enciclopédia Minerais e Pedras Preciosas, RBA Editores, 1993.
  • [10] Ferreira, M. D., Silva, V., Lima, M. F. & Gomes, C.L., Anatomia de algumas ocorrências de gemas e seu enquadramento em protocolos de ordenamento territorial - contributo para uma reflexão sobre o estatuto dos depósitos gemíferos portugueses, Cad. Lab. Xeol., Laxe 24, 1999.
  • [11] Gaines R., Skinner H., Foord E., Mason B., Rosenzweig A., Danas’s New Minerology, 8ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1997.
  • [12] Galopim de Carvalho, A.M., Sopas de Pedra: De Mineralibus, I, Gradiva Publicações Lda., 2000.
  • [13] Gomes, C. L., Estudo Estrutural e Paragenético de um sistema pegmatóide granítico. O campo aplito-pegmatítico de Arga-Minho (Portugal), Universidade do Minho, 1994.
  • [14] Gomes, C. L. & Nunes, J. E. L., Análise paragenética e classificação dos pegmatitos graníticos da cintura hercínica centro-ibérica, in “A Geologia de Engenharia e os Recursos Geológicos”, Imprensa da Universidade, Vol. 2 – Recursos Geológicos e Formação, Coimbra, 2003.
  • [15] Gomes, C.L. & Nunes, J.E.L., Análise paragenética e classificação dos pegmatitos graníticos da cintura hercínica centro-ibérica, M. Portugal V. Ferreira (Coord.), A Geologia de Engenharia e os Recursos Geológicos, Imprensa da Universidade Ed., Coimbra, 2003, pp. 85-109.
  • [16] Harben, P.W. & Bates, R.L., Industrial Minerals, Geology and World Deposits. Industrial Minerals Division, Metal Bulletin PLC, London, 1990.
  • [17] Harben, P.W. & Kuzvart, M., Industrial Minerals, A Global Geology. Industrial Minerals Information Ltd, Metal Bulletin PLC, London, 1996.
  • [18] Hurlbut, C.S. Jr., Les Minéraux et L’ Homme, Éditions Stock, Paris, 1969.
  • [19] Hurlbut, C.S. Jr. & Switzer G.S., Gemology, Johnn Wiley & Sons, Inc., 1979.
  • [20] Klein, C. & Hurlbut C.S., Manual of Mineralogy (after James D. Dana), Revised 21ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1999.
  • [21] Manutcherhr-Danai M., Dictionary of gems and geomology, Springer-Verlag, 2000.
  • [22] Mendes, H. S. & Silva, M. I., Mineralogia e Petrologia – Segundo as lições do Prof. Eng. Luís Aires de Barros, Edição da Secção de Folhas da A.E.I.S.T., 1965.
  • [23] Putnis, A., Introduction to mineral sciences, Press Syndicate of the University of Cambridge, 1992.
  • [24] Smirnov, V. I., Ore Deposits of the USSR, Pitman Publishing, 1997.
  • [25] Staff of U.S. Bureau of Mines, Mineral Facts and Problems, 1985 Edition, Bulletin 675, United States Department of the Interior, 1956.
  • [26] Velho J., Gomes C. & Romariz, Minerais Industriais, Geologia, Propriedades, Tratamentos, Aplicações, Especificações, Produções e Mercados, Gráfica de Coimbra, Coimbra, 1998.
 

Para comentar tem de estar registado no portal.

Esqueceu-se da password?

© 2008-2009, Instituto Superior Técnico. Todos os direitos reservados.
  • Feder
  • POS_conhecimento