e-escola

Einstêinio Básico

Publicado em 05/08/2008 (revisto em 10/09/2008)

História

A descoberta do einstêinio deve-se a numerosos cientistas, sendo os mais proeminentes: Gregory R. Choppin, Stanley G. Thompson, Albert Ghiorso e Bernard G. Harvey. Foi descoberto em Novembro de 1952 em Eniwetok, um atol no Pacifico, onde ocorreu a primeira explosão nuclear de uma bomba de hidrogénio – projecto com nome de código ‘Mike’.

Após a explosão, foi recolhido material do coral e da sua vizinhança, bem como da nuvem formada pela explosão, tendo sido enviado para ser analisado em Berkeley. Um mês depois foi identificado o einstêinio, juntamente com o férmio. No entanto, a descoberta deste elemento foi mantida em segredo durante três anos, pois a divulgação de informações acerca dos testes de armas atómicas nos EUA era limitada.

No material recolhido após a explosão, foram encontrados menos de 200 átomos de einstênio. Foi o suficiente para mostrar que o urânio -238 (que estava presente com o propósito de fornecer a energia necessária para provocar a explosão termonuclear), tendo sido exposto a um elevado fluxo de neutrões originara ,desta forma, novos elementos entre os quais o einstêinio-253, com tempo de meia vida de 20 dias.

Para além deste isótopo, são conhecidos actualmente mais 16 isótopos, sendo o mais estável, o einstêinio-252, com tempo de meia vida de 470 dias.

Em 1961 já havia sido recolhida uma quantidade suficiente de einstêinio, aproximadamente um centésimo de grama, para que fosse visível a olho nu.

Autor e Créditos

Autor:

 

Para comentar tem de estar registado no portal.

Esqueceu-se da password?

© 2008-2009, Instituto Superior Técnico. Todos os direitos reservados.
  • Feder
  • POS_conhecimento