e-escola

Eliminação de um gene essencial em estirpe diplóide Intermédio

Publicado em 18/11/2005 

Eliminação de genes essenciais

A eliminação de um determinado  gene do genoma de um organismo  pode revelar-se incompatível com a viabilidade das células se se tratar de um gene essencial e só estiver presente com uma única cópia.

Por vezes, desconhece-se se o gene que se pretende eliminar é ou não  um gene essencial. Deste modo, é conveniente que o processo de eliminação se realize inicialmente em células  diplóidesGlossário , uma vez que contêm duas cópias de cada gene. Assim, mesmo que se elimine uma das cópias a outra mantém-se activa, assegurando a viabilidade da célula. Obtém-se assim um mutante com um dos dois genes eliminado, ou seja, uma estirpe  diplóide heterozigóticoGlossário (Figura).

Para verificar se o gene em causa é ou não essencial faz-se esporular as células do mutante diplóide heterozigótico assim preparado. Os quatro esporos (haplóideGlossário) resultantes são isolados experimentalmente e cultivados em meio de cultura. No caso de se tratar de um gene essencial, as duas células filhas haplóides que herdaram o gene eliminado não são viáveis e, portanto, não vão crescer em meio de cultura. Se se verificar que as quatro células filhas são capazes de dividir e formar colónias , então conclui-se que o gene não é essencial (Figura). Neste caso, a sua eliminação pode ser feita directamente numa célula de levedura haplóide. (saber mais)

Autor e Créditos

Autor:

 

Para comentar tem de estar registado no portal.

Esqueceu-se da password?

© 2008-2009, Instituto Superior Técnico. Todos os direitos reservados.
  • Feder
  • POS_conhecimento