e-escola

Biorremediação de solos poluídos: o caso da contaminação pelo herbicida atrazina

Publicado em 14/10/2005 

A contaminação ambiental com pesticidas resulta quer da sua utilização intensiva, quer de derrames acidentais, ou intencionais, que ocorrem durante o seu manuseamento. Muitos destes compostos, produzidos em larga escala, são considerados perigosos para os humanos, os animais e as plantas e, quando utilizados em quantidades massivas, os pesticidas podem persistir no ambiente durante muito tempo, apresentando tempos de meia vida longos. A atrazina é um herbicida mundialmente usado no controlo de plantas infestantes de diversas culturas agrícolas, sendo também considerado um agente potencialmente carcinogénico para o homem e um desregulador hormonal. Como consequência da sua intensiva utilização nos últimos trinta anos, a atrazina e os seus metabolitos têm sido frequentemente detectados em solos, águas superficiais e subterrâneas. As técnicas tradicionais para o tratamento de solos contaminados com s-triazinas envolvem a incineração e a remoção de solo contaminado e sua transferência para zonas não contaminadas, que são estratégias economicamente dispendiosas, em particular para o tratamento de grandes áreas, uma vez que requerem a remoção e transporte das zonas contaminadas. A persistência da atrazina no ambiente, associado à crescente preocupação no que se refere aos seus efeitos toxicológicos e ecotoxicológicos, tem motivado o estudo e desenvolvimento de estratégias de biorremediação cada vez mais eficientes na remoção das contaminações com o herbicida. Para tal, têm sido isolados e identificados diversos microrganismos não patogénicos capazes de degradar de forma eficiente a atrazina.

Sub-Temas e Tópicos

© 2008-2009, Instituto Superior Técnico. Todos os direitos reservados.
  • Feder
  • POS_conhecimento