e-escola

Bórax Intermédio

Publicado em 21/05/2009 

Jazida

Tipo de jazida

Depósitos evaporíticos, lagos salgados, playas e eflorescências nas regiões áridas. Salmouras e nascentes termais.

O boro é um dos elementos menos abundantes na crosta terrestre (aprox. 10 ppm – 27ª posição). Encontra-se particularmente concentrado em depósitos cenozóicos sob a forma de boratos hidratados (90% da produção mundial actual), incluindo salmouras. A restante produção provém de depósitos evaporíticos pré-cenozóicos, de complexos metamórficos.

Apesar do bórax e de outros minerais de boro já serem conhecidos há muito tempo, a “era do bórax” começou apenas em meados do séc. XIX quando foram descobertos os primeiros depósitos na Califórnia (Parque Nacional do Vale da Morte – EUALink externo), e logo a seguir no Nevada e no Oregon. Seguiram-se outras descobertas importantes noutros locais do mundo (mais de 100), mas num número limitado de países. A produção mundial é dominada actualmente pelos EUA e pela Turquia.

A formação e o tipo de minerais boratados presentes nos ambientes sedimentares são controlados pela actividade dos componentes em solução. As formações sedimentares boratadas são tipicamente cenozóicas – neogénicas (< 23 Ma) e estão estratigraficamente relacionadas com o vulcanismo. Muitos destes depósitos estão enquadrados por rochas formadas em ambiente lacustre, implicando assim a existência de ambientes fechados, controlados pela actividade tectónica. A preservação dos boratos, assim como de outros sais dissolvidos, implica a existência de climas áridos com forte evaporação e drenagem muito limitada para o exterior.

Os depósitos neogénicos, assim como alguns depósitos do Quatenário, apresentam sempre modificações diagenéticas, como resultado do aumento da temperatura e da pressão (diagénese térmica), ou de reacções entre fluidos de diferentes composições (diagénese por reacção). Os minerais inicialmente formados são extremamente raros, tendo sido transformados noutros mais enriquecidos em boro e menos hidratados. A forma dos depósitos também pode sofrer modificações, ocorrendo redistribuições locais das concentrações.

De acordo com a idade geológica, catião dominante e forma do produto (sólido ou líquido), existem 7 tipos principais de depósitos:

Neogénico (23 – 1.8 Ma)
  1. com boratos de Mg
  2. com boratos de Ca
  3. com boratos de Na-Ca
  4. com boratos de Na
Quaternário (< 1.8 Ma)
  1. depósitos em lagos, com boratos de Na-Ca, com eflorescências, crostas e camadas quase superficiais
  2. depósitos tipo playa, com camadas subjacentes de boratos de Na
  3. lagos salgados caracterizados por salmouras ricas em boratos, geralmente com camadas subjacentes de boratos e outros minerais.

O bórax é um mineral primário nos depósitos referidos e foi o primeiro a ser utilizado comercialmente, há milhares de anos (babilónios, chineses, persas, árabes).

O bórax, Na2B4O5(OH)4.8H2O, forma-se em ambientes em que a actividade do Na+ é muito superior à do Ca2+; por diagénese, transforma-se frequentemente em quernite, Na2B4O6(OH)2.3H2O, transformação que implica a perda de moléculas de água e a rotura de ligações B-O. Os depósitos de quernite (segundo mineral mais importante para a produção de B) encontram-se frequentemente nas zonas mais profundas dos depósitos cenozóicos de bórax.

Os depósitos de boratos localizados em regiões montanhosas secas, geram escorrências muito ricas em boro durante as estações chuvosas. Estas escorrências são acumuladas em leitos de lagos, conhecidos como playas. A forte evaporação destas playas conduz à formação de bórax e de outros boratos hidratados. Locais emblemáticos deste tipo de ocorrência: Parque Nacional do Vale da Morte – EUA, deserto de Atacama – Chile; Tibete.

Minerais Associados
Depósito do tipo playa

Fig. 6 – Depósito do tipo playa. Eflorescências salinas (cor clara) em fendas de retracção, originadas nos períodos de seca, em zonas muito aplanadas, de fraca pluviosidade e com ventos fortes. Fonte: Ian Parker. (Evanescent LightLink externo).

Autor e Créditos

Autor:

  • Manuel Francisco Pereira
  • Elsa Vicente
  • Ágata Sousa
  • Júlio Caineta
 

Tópicos Relacionados

  • Boro

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 28/10/2008 | Tabela Periódica | Básico

  • Ferro

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 10/04/2008 | Tabela Periódica | Básico

  • Níquel

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 28/10/2008 | Tabela Periódica | Básico

 

Referências Bibliográficas

  • [1] Almeida, C.M.P., Estudo do filão aplitopegmatítico da mina da Bajoca, Almendra. Contribuição Científico-tecnológica, Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, Porto, 2003.
  • [2] Blackburn, W.H. & Dennen W.A., Principles of Mineralogy, Second Edition, Wm. C. Brown Publishers, 1994.
  • [3] Carneiro F.S., Potencialidades Minerais da metrópole, base firme de desenvolvimentos industrial do país, Arquivos da Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos, 1971.
  • [4] Celso S. & Gomes F., Minerais Industriais: Matérias Primas Cerâmicas, Instituto Nacional de Investigação Científica, Aveiro, 1990.
  • [5] Cerný, P., Short Course in Granitic Pegmatites in Science and Industry, Ed. P. Cerný. Mineralogical Association of Canada Short Handbook, 1982.
  • [6] Constantopoulos, J.T., Earth Resources Laboratory Investigations, Prentiss-Hall, 1997.
  • [7] Dud’a, R. & Reij.L, A Grande Enciclopédia dos Minerais, Editorial Inquérito, 1994.
  • [8] Edwards, D. & King, C., Geocience: Understanding Geological Processes, Hodder & Stoughton, 1999.
  • [9] Enciclopédia Minerais e Pedras Preciosas, RBA Editores, 1993.
  • [10] Gaines R., Skinner H., Foord E., Mason B., Rosenzweig A., Danas’s New Minerology, 8ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1997.
  • [11] Galopim de Carvalho, A.M., Sopas de Pedra: De Mineralibus, I, Gradiva Publicações Lda., 2000.
  • [12] Gomes, C.L. & Nunes, J.E.L., Análise paragenética e classificação dos pegmatitos graníticos da cintura hercínica centro-ibérica, M. Portugal V. Ferreira (Coord.), A Geologia de Engenharia e os Recursos Geológicos, Imprensa da Universidade Ed., Coimbra, 2003, pp. 85-109.
  • [13] Harben, P.W. & Bates, R.L., Industrial Minerals, Geology and World Deposits. Industrial Minerals Division, Metal Bulletin PLC, London, 1990.
  • [14] Harben, P.W. & Kuzvart, M., Industrial Minerals, A Global Geology. Industrial Minerals Information Ltd, Metal Bulletin PLC, London, 1996.
  • [15] Hurlbut, C.S. Jr., Les Minéraux et L’ Homme, Éditions Stock, Paris, 1969.
  • [16] Hurlbut, C.S. Jr. & Switzer G.S., Gemology, Johnn Wiley & Sons, Inc., 1979.
  • [17] Jesus, A.M., Pegmatites Mangano-litiníferas da Região de Mangualde, Com. Serv. Geol. Portugal, 1993, 65-210.
  • [18] Klein, C. & Hurlbut C.S., Manual of Mineralogy (after James D. Dana), Revised 21ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1999.
  • [19] Lima, A.M.C., Estrutura, mineralogia e génese dos filões aplitopegmatíticos com espodumena da região Barroso-Alvão, Tese de doutoramento em Ciências, Departamento de Geologia, Centro de Geologia, FCUP, Porto, 2000.
  • [20] Manutcherhr-Danai M., Dictionary of gems and geomology, Springer-Verlag, 2000.
  • [21] Mendes, H. S. & Silva, M. I., Mineralogia e Petrologia – Segundo as lições do Prof. Eng. Luís Aires de Barros, Edição da Secção de Folhas da A.E.I.S.T., 1965.
  • [22] Neves, M.O., Caracterização químico-estrutural e petrográfica das micas litiníferas da mina do Castanho Nº1 (Gonçalo-Guarda), Tese de mestrado em Geoquímica, Departamento de Geociências da Universidade de Aveiro, Aveiro, 1993.
  • [23] Pereira, M.F.C, Estudo mineroquímico interpretativo da evolução da alteração de fosfatos de manganês – triplites de Mesquitela (Mangualde), Departamento de Geociências da Universidade de Aveiro, 1994.
  • [24] Pereira, M.F.C, Análise estrutural e mineralógica do aparelho pegmatítico de Pereira de Selão (Seixigal) - Vidago (N de Portugal), Tese de doutoramento em Engenharia de Minas, Departamento de Minas, IST-UTL, Lisboa, 2005.
  • [25] Putnis, A., Introduction to mineral sciences, Press Syndicate of the University of Cambridge, 1992.
  • [26] Ramos, J.M.F., Mineralizações de metais raros de Seixo Amarelo– Gonçalo (Guarda). Contribuição para o seu conhecimento, Tese de doutoramento, Fac. Cienc. Univ. Lisboa, Lisboa, 1998.
  • [27] Schnorrer-Kohler, G. Bendada, 1991, ein Phosphatpegmatit im Mittelteil Portugals, Lapis Mineralien Magazin, 5, pp. 21-33, Schnorrer-Kohler, G. Bendada, 1991, ein Phosphatpegmatit im Mittelteil Portugals, Lapis Mineralien Magazin, 5, pp. 21-33.
  • [28] Staff of U.S. Bureau of Mines, Mineral Facts and Problems, 1985 Edition, Bulletin 675, United States Department of the Interior, 1956.
  • [29] Velho J., Gomes C. & Romariz, Minerais Industriais, Geologia, Propriedades, Tratamentos, Aplicações, Especificações, Produções e Mercados, Gráfica de Coimbra, Coimbra, 1998.
 

Para comentar tem de estar registado no portal.

Esqueceu-se da password?

© 2008-2009, Instituto Superior Técnico. Todos os direitos reservados.
  • Feder
  • POS_conhecimento